A notícia da invenção do Asdrubal se espalha pelo além

Facebooktwitter
Facebooktwitter
image_pdfimage_print

Se você acha que fofoca só acontece na Terra, espere até chegar no além. Só para te avisar, imagine todas aquelas tias, tios, vizinhas e vizinhos fofoqueiros que você teve e que já morreram, o que você acha que eles continuam fazendo? Isso mesmo, todos sentados num banco de praça, com vistas para o paraíso e trocando informações não oficiais, vulgo fofoca, sobre os outros.

Como a vida no além andava meio tediosa, meio sem novidades, a notícia do C.A.R.A.L.H.O. se espalhou rapidinho e os primeiros curiosos começaram a aparecer para saber como a coisa funcionava.

– Mort, estou pensando aqui que podemos fazer um bom negócio com isso. Já pensou que podemos abrir uma franquia? Vai ser uma franquia do C.A.R.A.L.H.O.!

Asdrubal, meu filho, franquia no além, francamente, heim?

– E qual o problema? Tenho que garantir uma forma de me sustentar pelo resto da eternidade, não tenho? Por falar nisso, como funcionam os planos de aposentadoria por aqui?

Que?

– Esquece, foi só uma brincadeira. Já vi que hoje seu senso de humor não está dos melhores. A morte não está lhe caindo muito bem..

E você está muito engraçadinho para quem chegou há tão pouco tempo, não está?

– Resiliência, Mort, já ouviu falar? Popularmente traduzido como: “aceita que dói menos”. Já que não tem outro jeito, o negócio é relaxar e aproveitar e, confesso, estou começando a gostar daqui.

– Mort, já pensou que poderia ser um sucesso eu lançando um livro de empreendedorismo no além, dando dicas de como superar o trauma da morte e, também, sobre como empreender no paraíso? Já pensou no P.U.T.A. sucesso que seria?

Asdrubal, preciso já lhe advertir que você está causando alvoroço por aqui e não gosto disso. Hoje já atendi duas pessoas que vieram atrás da P.U.T.A e fiquei sem saber o que falar? Imagine se isso se espalha?

– Essa é a ideia, Mort, já te falei, isso vai virar negócio.

Asdrubal! Estou falando sério!

– Eu também, oras.

– Mas, por enquanto, concordo com você, ainda estamos em fase de testes e é melhor não divulgar, vai que dá MERDA, no sentido bem literal da palavra…

– Melhor fazer mais alguns testes, ajustes e, somente depois disso, pensar numa solução comercial.

Mas que solução comercial, Asdrubal? Não é possível que você está levando isso à sério?

– Não é possível que você não esteja! Oh falta de visão empreendedora! Mort, você não estava falando que estava cansadão, que queria se aposentar? E vai fazer o que depois da aposentadoria? Morrer? Melhor ter um plano B, vai que o Fundo de Pensão Celestial também é citado na Lava Jato, envolvido em algum escândalo? Eu se fosse você, começaria a pensar com mais carinho.

(Pausa reflexiva da Mort, que não deu o braço a torcer, naturalmente. Mas que pensou, pensou…)

– Mort, quem foi que ficou sabendo e veio perguntar?

Ah, umas pessoas..

– Mort, você está me escondendo algo? Sinto isso no seu tom de voz.

Ninguém importante…

– Quem foi?

Dois assessores de um político famoso.

– Ah, sério? Quem é o político?

Não posso falar.

– Deixa disso, dá umas dicas pelo menos. Morreu faz tempo?

Mais ou menos. Pelo tempo da Terra até que já faz alguns anos, mas pelo nosso tempo, pouquíssimo.

– Humm. Morreu como?

E você acha que vai me enganar, não é Sr. Asdrubal? Não morri ontem, não! Vem com essas perguntinhas como quem não quer nada e, daqui a pouco, sabe de tudo. Não vou falar.

– Só uma dica, vai…

Morreu em condições muito suspeitas, morte nunca esclarecida.

– Ah, Mort, isso é sacanagem, você acabou de me descrever uns 95% das mortes de políticos brasileiros, digamos que isso não ajudou em nada.

Muito bem, já entendeu o espírito da coisa, a intenção era essa mesmo.

– Quero o contato dos assessores dele.

De jeito nenhum, nem pensar! Aqui é totalmente proibido esses esquemas, temos um Conselho de Ética que realmente funciona e isso jamais seria aprovado.

– Mas eu só quero saber o que eles queriam. Imagine, se vieram até aqui é porque devem ter alguma coisa muito séria para resolver. Alguma revelação bombástica!

Mas não vai, não.

– Mort, deixa de ser sargentão. É só uma conversa. Você pode até participar, se quiser.

Eu participar? Para depois você falar que eu sou cúmplice?

– Nossa, Mort! Que juízo que você faz de mim, heim? Prometo que não vou gravar nada. E outra, se der ruim é só falar que você não sabia de nada e pronto. Se isso funcionou com o ..

Nem complete essa frase que não quero nem saber desses caras, isso é com outro departamento.

– Qual departamento?

Isso é com o C.A.P.E.T.A

– Credo, Mort, que violência. Quanto rancor nesse coraçãozinho.

Deixa de ser bobo, o C.A.P.E.T.A é só o Centro de Apoio e Atendimento Permanente Entre Terra e Além, um departamento que cuida da transição entre essas pessoas, digamos, mais comprometidas com coisas não muito corretas, vulgo safadas, e o Além. Não me meto com isso, não.

– Mort, aproveitando, e como fica aquela história de perdão divino?

Eis outro assunto em que não me meto, isso é com o Todo Poderoso e não tenho nada a ver com isso.

– Como não?

Claro que não, o perdão é uma dádiva Divina, eu só proporciono o encontro entre as partes, o resto é com eles. De onde você acha que veio essa fala que já usam lá pela Terra? Eu que criei, eu que criei! Também tenho minhas tiradas, pensando o quê??

– Olha só, e eu que achei que isso era criação lá do capitão..

Que nada, Asdrubal, essa fala é cria minha, com muito orgulho!

– Mort, mas como é que o tal capitão lá pegou essa sua fala?

Ah, nem te conto. Foi um dia, com um serzinho das trevas, que levou uns vinte tiros e estou já estava lá, pronto para recebê-lo, como faz parte do cerimonial. Mas o sujeito já chegou todo cheio de marra, que queria conversar com o Todo Poderoso, que ele tinha que ser perdoado, enfim, esses papos de todo mundo que morre com a consciência pesada. Mas o sujeito era tão ruim, mas tão ruim, que não morreu! De repente, quando dou uma bobeada, lá estava o sujeito voltando, o socorrista conseguiu tirá-lo de mim, acredita?

Durante nossa pequena conversa, eu estava exatamente explicando isso para ele, todo orgulhoso da minha fala, que o perdão era Divino e que eu só iria proporcionar o encontro entre eles. Ai o sujeito volta, não morre e ainda levou minha fala. Entrei com um processo no Supremo Tribunal Celestial, por plágio, mas como o réu não compareceu, o processo está correndo à revelia.

– Entendi, Mort, mas não foge do assunto, não. Ainda quero os contatos dos assessores, pensa que me engana, é?

Não passo.

– Mort, pense no conforto da sua aposentadoria, pense nas férias que você quer tirar.

(outra pausa dramática para reflexão e peso na consciência por estar se deixando envolver pela sedutora proposta do Asdrubal)

Vou pensar no seu caso.

– Sabia que você não me decepcionaria. Se tem uma coisa que nunca deixa ninguém na mão é a morte.

Asdrubal, essa foi péssima…

– Verdade, desculpa aí, Mort. Mas como vamos fazer?

Não vamos fazer nada. Eu vou pensar em como organizar isso e você vai trabalhando no seu projeto, aprimorando, pois não quero saber de queimar minha reputação milenar com o departamento celestial. Imagina se, nessa altura da minha morte, levo uma advertência ou mesmo sofro um processo administrativo? Nem pensar, sempre tive uma ficha exemplar e vou continuar assim.

– Tudo bem, concordo com você e nem quero manchar sua reputação também. Vou me dedicar, mas para isso preciso fazer mais alguns testes, pois não tem jeito de aprimorar sem praticar.

Ai meu Deus…não sei o que é pior.

– Ah, Mort, pare, nem foi tão ruim assim as primeiras tentativas.

Não, claro que não, só teve um acesso de raiva da sua sogra e um AVC do baixinho de merda, mas fora isso, foi tudo calmo..

, eu sei, mas pense que poderia ser pior.

Mas o que você está pensando?

– Estou pensando que eu poderia mandar uma cartinha para o meu cunhado. Afinal, como já diz o ditado, se cunhado fosse bom, não começava com..

Não complete, por favor!

bom, mas com isso, eu também poderia aprimorar mais um pouco a técnica, você poderia dar sugestões de melhorias e, quem sabe, num futuro bem próximo, poderíamos chamar os assessores para uma conversa.

Tudo bem, concordo então, mas veja lá o que você vai fazer, pois pelos meus controles aqui, seu cunhado ainda tem um tempinho por lá, só tem uma coronária começando a entupir, mas ainda vai uns dez anos até chegar a hora dele, portanto, pega leve que não estou afim de mudar todo o meu planejamento.

– Vou pensar em algo não tão sincero então..

Lembre-se de que não dá para mentir, portanto, vê se não toca em assuntos muito cabeludos.

– Com cunhado? Se liga, Mort…

Bom, você não antecipando a vinda dele, já me dou por satisfeito.

– Deixa comigo!

Asdrubal foi escrever sua carta e eu fui pensar numa forma de não me envolver num esquema delituoso de tráfico de influência celestial, pois isso não pegaria bem no fim da minha carreira. Aguardem, fortes emoções estão por vir.

Se você gostou da história e quiser contribuir com o autor, faça sua doação pelo botão do PagSeguro, logo abaixo.

Toda doação é bem vinda e agradeço de coração!

Comente com o Facebook
Facebooktwitter
Facebooktwitter

Deixe uma resposta