Cartas de Um Morto

Facebooktwitter
Facebooktwitter
image_pdfimage_print

Começo esse livro já esclarecendo que ele não se trata de uma psicografia, nem um livro espiritualista e, menos ainda, uma autoajuda.

Essa é tão somente mais uma obra de ficção, que naturalmente pode, em situações específicas, se confundir um pouco com a realidade, mas todas as situações aqui criadas são hipotéticas e sem compromisso algum com qualquer fundamentação científica ou religiosa.

O livro vai narrar a história do Asdrubal Hermenegildo Roberto da Costa Lima e Silva, que era um cara legal, casado, cinquenta e poucos anos, pai de dois filhos adolescentes, uma profissão estressante, além de professor e que morava numa cidadezinha com pouco mais de 10 mil habitantes.

Numa bela manhã de um sábado qualquer, eis que Asdrubal acordou morto e, inicialmente,  não entendeu nada, não sabia o que estava acontecendo com ele, não fazia ideia que tinha morrido, afinal, isso nunca havia lhe acontecido antes e essa falta de experiência complicou um pouco as coisas.

Com o passar do tempo, Asdrubal foi encontrando formas de entender o que estava acontecendo e achou uma forma incomum para um morto se comunicar: as cartas. A princípio ele achou que era tão somente mais um delírio da morte, mas com o tempo, foi se dando conta de que a comunicação realmente acontecia, principalmente após um conhecido seu ter recebido uma das suas cartas e, literalmente, ter morrido de susto.

O livro se desenvolverá com um diálogo entre o narrador e o próprio Asdrubal, que como todo morto de primeira viagem, interrompe a narração o tempo todo para dar seus palpites, afinal, só porque a morte é dele, acha que pode fazer o que quiser.

A morte já é um processo sofrido e doloroso por si só, não somos educados para ela, pelo menos não na nossa cultura ocidental e para tornar esse processo menos traumático, que tal usar uma pitada de humor? Essa é a proposta dessa narrativa, usar um tema pesado e sofrido, mas encarado de uma forma descontraída, pois como já diz o velho ditado popular: “não leve a vida tão a sério, afinal, você não vai sair vivo dela mesmo! ”

Eu sei que você deve estar se perguntando sobre o nome, afinal, Asdrubal Hermenegildo Roberto da Costa Lima e Silva, é um nome incomum e que chama a atenção. O fato é que juntando todos esses nomes, duvido que eu consiga encontrar outro Asdrubal Hermenegildo Roberto da Costa Lima e Silva, que vá resolver me processar por uso vexatório do nome. Pronto, dúvida sanada, vamos à narrativa.

P.S.: Caso você se chame Asdrubal Hermenegildo Roberto da Costa Lima e Silva, por favor, entre em contato e vamos conversar, ok?

P.S. 2 : Eu, particularmente, acho o nome Asdrubal Hermenegildo Roberto da Costa Lima e Silva, simpático.

Nota do autor: Contém termos não politicamente corretos. Cá entre nós, gente muito politicamente correta é chata prá baralho!

Antes de pensar besteira sobre os termos aqui utilizados, consulte nosso dicionário

 

Se você gostou da história e quiser contribuir com o autor, faça sua doação pelo botão do PagSeguro, logo abaixo.

Toda doação é bem vinda e agradeço de coração!


Comente com o Facebook
Facebooktwitter
Facebooktwitter