E mais um ano vai chegando ao fim

image_pdfimage_print

Nem demorou tanto e já estamos nós no final do ano novamente, começam as tradicionais musiquinhas “então, é Natal e o que você fez, um ano termina e nasce outra vez” e “hoje é um novo dia, de um novo tempo que já chegou”. Isso mesmo, esse começo foi só para deixar essas músicas na sua cabeça por alguns dias, caso elas ainda não estivessem, mas tudo bem, é Natal, não guarde rancores de mim por isso. Mas que você vai passar alguns dias cantarolando essas músicas, isso vai…

Agora que você já incorporou o espírito do Natal, vamos falar sério um pouco. Em minha mensagem, no final do ano passado, eu falei que não iria desejar um Feliz Natal e um Bom Ano Novo para ninguém, pois não adiantaria mesmo, afinal, só você poderia fazer isso por você mesmo. Eu então te desejei boas atitudes, num desejo de que as mudanças que você tanto quer pudessem começar a acontecer,  não porque eu te desejei, mas sim, porque você, com suas atitudes, começou a busca-las.

Embora seja uma época em que todo mundo pensa na vida, faz planos e mais planos, vou falar um pouco sobre o oposto disso. Em alguns momentos penso que fazemos muitos planos e agimos pouco. É muito planejamento e pouca ação. Quantos projetos você já pensou ou até escreveu? Agora, quantos colocou em prática? É muito comum, dentro do meio empresarial, se discursar sobre a importância do planejamento e, naturalmente, não acho que isso seja inválido, pelo contrário, mas só planejar não resolve, precisamos colocar em prática. Há quantos anos você planeja ficar rico, emagrecer, aprender um novo idioma, viajar, casar, separar e por ai vai?

Parafraseando uma palestra do Mário Sérgio Cortella, vou usar aqui um pouco da sua fala, que é um fato: “deixa eu te contar uma coisa, nós vamos morrer”. Sabe aquele seu planejamento a longo e médio prazo? Pode ser que você nem tenha tempo de coloca-lo em prática e falo isso não para te deixar deprimido, pelo contrário, para tentar  mostrar que nossa vida é curta, muito curta e que não temos tempo para desperdiçar com coisas fúteis ou que não nos acrescente nada, não temos tempo para muitos planos, precisamos viver, precisamos realizar, rápido, pois a nossa partida é em muito breve, no máximo, caso você seja hoje um adolescente, em uns sessenta ou setenta anos, mas que ainda assim, nada representam, pois são uma ínfima fração do tempo, que passa num piscar de olhos.

E como, invariavelmente, vamos morrer, como vamos viver nossa vida hoje? Será que vale a pena sofrer tanto? Se preocupar tanto? Brigar tanto? Começo a pensar que não! Sei que esse conhecimento só é adquirido pela idade, é a famosa sabedoria que só a idade pode trazer, talvez até pela percepção de que metade da vida ou mais já se foi. É comum, todo jovem se achar imortal, mas o tempo passa e vamos morrer, uns mais cedo, outros mais tarde, mas vamos morrer e como não sabemos quando isso vai ocorrer, melhor viver cada dia como se ele fosse o último. Sei que é um chavão, muitos já falaram isso, mas penso que só agora compreendi o real significado dessa frase. Pense nisso também.

Ao longo desse ano eu pratiquei um pouco daquilo que falei na minha mensagem do ano passado, comecei a me desapegar de coisas que já não fazem mais sentido na minha vida, passei a valorizar mais a minha própria vida, abri mão de coisas que já não acredito, mas nem por isso, vou deixar de lutar por tantas outras. Mudar não é fácil, hoje posso dizer isso com propriedade, mudar, naturalmente, acarreta desconfortos, mas que passam. Comecei a perceber de que nada adiantaria passar o resto da vida reclamando de uma situação se eu não fizesse nada para muda-la, pois eu seria só mais um chato, que reclama mas nada faz, mas eu sei que cada um tem seu tempo e eu mesmo demorei um pouco para perceber isso, ainda não percebi muitas coisas, luto, tenho minhas angústias, choro, mas não me arrependo, pois ao tomar uma atitude você deve estar convicto das consequências. Posso não saber exatamente o que vou fazer, mas sei o que não vou, posso não saber exatamente para qual caminho ir, mas sei aquele que não entro mais, essas são coisas que os anos vão te mostrando, que as experiências vão trazendo, com sofrimentos, com alegrias, mas que vão compondo a nossa essência.

Um grande passo para as mudanças é você começar a aprender que não é perfeito, que fez escolhas erradas, mas que nem por isso merece sofrer. Esse mecanismo psicológico é muito complexo e nós, primeiramente, negamos a necessidade da mudança porque não queremos admitir que erramos, afinal, se eu não tivesse errado, não precisaria mudar, mas se preciso, é porque fiz algo incorretamente. Depois, inconscientemente vem a autopunição, o sofrimento que você acha merecido e que novamente te estaciona, te impede de dar alguns passos e perceber que existem muitas outras coisas além do seu míope campo visual. Quando você admite que não é perfeito e para de se punir, somente nesse ponto,  é que as mudanças começam a ocorrer e não se iluda, pois não serão fáceis,  você estará rompendo com toda sua história, com todas suas convicções e isso não é um passo pequeno.

Nesse ano, assim como em outros que virão, se eu ainda estiver por aqui, continuarei a te desejar atitudes, mudanças, ações, ou seja, que você se perceba como alguém especial, que não merece sofrimento algum, mas que nem por isso estará isento de passar por adversidades, mas que diante delas, deve lutar e mudar e não ir se acostumando ao sofrimento, se anulando, se apagando um pouco a cada dia. A crise política passa, a dívida deixa de existir ou não, muros caem, outros se erguem,  o homem chegou  a outros planetas, só não conseguiu ainda viajar ao seu próprio íntimo e se descobrir, explorar seus sentimentos e emoções e ver quem realmente é.

Não estou dizendo a você o que fazer, estou fazendo isso a mim mesmo, assim como já o fiz no ano passado, estou tendo uma conversa comigo mesmo, mas resolvi compartilhar com você também. Tenha certeza de que nem tudo vai sair como você imagina, não será no ritmo que você quer, mas o importante é olhar para trás e ver que você não estacionou, que não passou mais um ano da sua breve vida fazendo as mesmas coisas que não lhe dão prazer.

Que possamos buscar coisas que nos tragam significados, que façam nossa passagem por aqui valer a pena, que sejam coisas simples, pois muitos também sempre ficam esperando por grandes acontecimentos, mas as grandes alegrias normalmente residem em coisas simples, portanto, que você tenha a simplicidade em sua essência, que possa ainda ficar admirado com a beleza de uma flor que nasce numa calçada, com a festa que seu cachorro faz quando você chega em casa, com o sorriso do seu marido ou mulher ao acordar pelas manhãs, pelos momentos que você passa sozinho e que permitem um encontro com seu verdadeiro EU, que o sorriso de uma criança te emocione, assim como o abraço de um amigo, coisas simples, mas tão distantes da nossa atual realidade, onde o virtual substitui cada vez mais o real.

E já que a vida é curta, pode sair da frente dessa tela agora, vá viver, olhe ao seu lado, perceba as pessoas, ligue para seu amigo que você não fala há anos, abrace um desconhecido, sei lá, faça algo que comece uma revolução na sua vida mas não queira mudar o mundo, mude sua vida e o mundo, pelo menos para você, será diferente.

Um grande abraço a todos! Boas mudanças a todos nós!

Epitáfio – Titãs

P.S. O “acaso” é o nome que Deus usa quando não quer assinar suas obras….

 

Comente com o Facebook
Facebooktwittergoogle_pluslinkedin
Facebooktwittergoogle_pluslinkedinyoutube
Social tagging:

Deixe uma resposta