Um Pouco do Dia a Dia

Facebooktwitter
image_pdfimage_print

Conforme combinado, no outro dia avô e neto se encontraram no parque próximo a casa deles, que já fora o local de outras conversas e também seria o cenário perfeito para a atual conversa.

– Nonno, antes de começarmos essa conversa de hoje, mais uma vez gostaria de te agradecer por essa série de encontros que foram muito importantes para mim.

– Vitor, não há o que agradecer, é tão somente nosso papel transmitir todo o conhecimento possível, ao maior número de pessoas. Só te peço para que não guarde isso com você, transmita ao maior número de pessoas que puder, vivencie essas experiências e, com isso, ajude a manter o que já conquistamos e a buscar cada vez mais as coisas belas e boas dessa vida.

– Por exemplo, meu neto, essa nossa sequência de encontros já seria algo que dificilmente aconteceria com nossos antepassados, principalmente com as últimas gerações antes da grande mudança, pois o ritmo de vida alucinante que eles tinham não permitia mais o diálogo, os encontros com as famílias, o convívio com os amigos, tudo girava em torno de uma busca desenfreada pelos bens materiais, que nunca eram suficientes e, com isso, a vida passava tão rápido que eles nem percebiam. Uma das falas mais utilizadas era a “não tenho tempo para nada”, fala que demonstrava o quanto as pessoas estavam perdidas em seus conceitos e ideias, em seus anseios e não enxergavam mais a vida, não sentiam mais nada além da angústia e da solidão.

– Esse parque também seria impensável em outras épocas, pois jamais uma área desse tamanho seria preservada e tudo isso aqui já teria sido destruído e desmatado para dar lugar a grandes edifícios e centros comerciais. A natureza não era mais importante e o homem achou que poderia fazer dela o que bem entendesse, mas não foi assim que as coisas aconteceram, pois a natureza é soberana à vontade humana e se não for respeitada, também trará consequências amargas, como as grandes secas, aumentos de temperaturas e todas as mudanças climáticas que eles sofreram. Hoje sabemos da importância de preservar cada vez mais a natureza, plantar árvores e respeitar os limites, aprendemos que podemos viver muito bem com um mínimo de recursos individuais e que os bens coletivos sempre se sobrepõem aos bens individuais. Algumas pessoas se achavam no direito de comprar ilhas, florestas e fazer disso um bem individual, fato que só demonstrava o tamanho descontrole e inversão dos valores.

– Uma das maiores mudanças que tivemos foi colocar os bens materiais, os equipamentos e todos os recursos tecnológicos trabalhando para nós e não o inverso, como as pessoas faziam, pois passavam a vida toda tentando comprar e acumular coisas e bens, sempre insatisfeitos e querendo cada vez mais e, na ânsia de querer mais, viviam cada vez menos. A tecnologia é muito boa e todo avanço nessa área é muito bem vindo, no entanto, nunca podemos fazer dela a nossa escolha de vida, fazer dela nossos objetivos pessoais, pois toda tecnologia é nada mais que uma ferramenta, que serve para facilitar nossa vida, nos proporcionar mais tempo livre e que nos levem a buscar outros caminhos mais edificantes, mas as pessoas, no descontrole em que viviam, passaram a ser escravas das ferramentas tecnológicas, abrindo mão do convívio com familiares e amigos.

– Nonno, a tecnologia que hoje temos é que nos proporciona uma compreensão muito maior da própria vida, portanto, vejo que hoje ela cumpre o seu papel, que é o de ajudar a proporcionar uma melhor qualidade de vida, que podemos perceber na educação, na saúde, na segurança, no lazer, pois em todos os lugares ela nos proporciona benefícios fantásticos, além de toda a rotina em nossos lares, que é totalmente automatizada, no entanto, é interessante como nem percebemos esses fatos, pois é tão natural conviver com tudo isso que nem nos damos conta e também não nos escravizamos ou nos limitamos pelas ferramentas, ao contrário, ficamos cada vez mais livres para viver o que é realmente importante, sem preocupações com rotinas desgastantes e que nada acrescentam.

– Uma coisa que é muito interessante é a forma com que alguns antigos hábitos milenares não se perderam apesar de todo o progresso tecnológico, como, por exemplo, o papel. Claro que hoje ele não é mais feito da forma como era antigamente, pois não precisamos mais desmatar florestas para fazer papéis, mas ele permaneceu e ainda continua sendo uma das principais formas de armazenar o conhecimento. Temos tudo em formato digital, sem dúvida, mas não há nada que se compare ao prazer de pegar um bom livro, sentar-se embaixo de uma árvore e dedicar-se a sua leitura, sem pressa, aproveitando e assimilando todo o conhecimento possível. Outra coisa interessante, que também permaneceu foi a música clássica, obras de grandes artistas muito antigos e que até hoje ainda são ouvidas e apreciadas, além de tantas outras que surgiram depois, mas que mantém o princípio da música que eleva a alma, proporciona a paz íntima e estimula a criatividade e a emoção.

– Outro hábito que se perdeu ao longo do tempo, que era a boa alimentação, a comida saudável, necessária à manutenção do corpo físico e também ao bem estar espiritual, também foi retomada. Era muito deprimente a forma como algo tão sério se transformou em uma coisa tão banal e sem importância. Nesse ponto as grandes redes de fast food tiveram um papel importante, pois em pouco tempo, com a promessa de uma comida rápida e barata, fizeram com que a saúde populacional piorasse absurdamente, promovendo o aparecimento de muitas doenças e agravando outras já existentes. A desculpa mais comum era a falta de tempo, pois ninguém mais poderia “perder tempo” com um intervalo para o almoço, onde as pessoas pudessem conversar, trocar afetos e sentimentos positivos, alimentando não só o corpo, mas também a alma, mas isso não era mais permitido no mundo “moderno”, que exigia cada vez mais agilidade, onde os almoços passaram a ser reuniões de negócios e as conversas só giravam em torno do dinheiro e do poder. O homem estava tão descontrolado que também fez da comida uma compulsão, uma forma de tentar amenizar sua solidão, sua ansiedade e, com isso, passou a comer cada vez mais e com menos qualidade. As famílias já não se reuniam em torno de uma mesa, assim como era feito lá nos primórdios, de forma saudável, mas que foi se perdendo, pois cada um comia num horário, cada um queria ver alguma coisa e as pessoas passaram a ser estranhas habitando um mesmo lar, pais não conheciam mais seus filhos e os filhos não entendiam seus pais, fato que poderia ser resolvido em conversas em torno de uma mesa e de uma boa refeição, local onde as pessoas poderiam trocar conversas sobre os seus dias, entender melhor um ao outro, mas a distância só foi aumentando.

– Nonno, uma das coisas que mais gosto são as refeições em família e com amigos, é tão prazeroso esse encontro, poder desfrutar de uma boa comida, da companhia de pessoas queridas, isso faz um bem tão grande. Também vejo que através das comidas aprendemos um pouco sobre cada cultura, sobre cada uma das regiões desse mundo, pois elas nos contam seus hábitos e sua história e isso, por si só, já é rico!

– Além de tudo isso, outro fator era o que se comia, pois as refeições eram feitas com produtos industrializados, com uma carga muito grande de agrotóxicos, além de muitos outros produtos altamente nocivos ao organismo. Após toda a fome e escassez que a humanidade passou ela foi aprendendo a reconstruir seus hábitos, inclusive os alimentares e percebeu que era muito mais saudável optar por uma nova forma de alimentação. Hoje aprendemos a extrair o máximo dos alimentos, descobrimos muitas fontes de proteínas e nutrientes e não precisamos mais comer qualquer animal vivo para suprir nossas necessidades, até porque, como sabemos, a nossa constituição física também se modificou ao longo dos séculos.

– A forma como as novas comunidades foram se organizando proporcionou uma grande mudança no estilo de vida e também na qualidade, pois todas as cidades, se assim podemos chama-las, apenas traçando comparações com os termos usados na época, possuem suas formas de sobrevivência, provendo todos os recursos necessários à sobrevivência daqueles que estão numa mesma região e esse fato possibilitou a disseminação da agricultura totalmente livre de agrotóxicos, pois não era mais preciso transportar os alimentos a grandes distâncias e nem fazê-los durarem muito tempo, ao contrário, tudo era colhido e distribuído todos os dias, através de máquinas e robôs.

– Os meios de comunicação e entretenimento também sofreram profundas mudanças. A Internet continua sendo a principal forma de comunicação e disseminação de informações, mas sua estrutura em nada lembra a antiga Internet, que era limitada, lenta e restrita a um grupo de pessoas. Hoje a Internet realmente é democrática e pública, está disponível a qualquer pessoa, em todos os lugares, proporcionando uma integração nunca antes vista, com recursos de transmissão de áudio e vídeo em alta qualidade, além dos recursos de tato e olfato, que agora também podem ser utilizados através de geradores holográficos que permitem uma experiência praticamente real de qualquer situação, como por exemplo, a que experimentamos ao visitar os mais variados locais, em nossas conversas. A tecnologia é a mesma, no entanto, ao longo de nossas conversas, ao invés de simplesmente acessar dados históricos, buscamos os registros que nós mesmos já vivenciamos e também toda a memória coletiva da humanidade, contida em nossa estrutura genética, mas o mecanismo que proporciona a vivência realística da situação são os projetos holográficos de alta resolução.

– A televisão também se modificou muito, tanto em tecnologia quanto em conteúdo. Atualmente, em qualquer aparelho, você escolhe o que vai assistir e quando vai assistir e pode interagir diretamente em programas ou filmes. Os seriados, filmes ou qualquer outra programação possuem tons de diversão, informação e conteúdos que estimulem as pessoas, proporcionem relaxamento e bem estar, informem de maneira simples e objetiva, enfim, é a mídia cumprindo seu papel de imparcialidade, diversão e informação, sem interesses escusos, sem sensacionalismo barato, apenas cumprindo seu papel de levar  a arte a todos, em todos os lugares, através de muita tecnologia. A televisão, nesse novo modelo, é uma importante ferramenta de construção de conhecimento e incentivo a cultura, muito diferente do papel que possuía antes, que basicamente servia como veículo alienador das grandes massas.

– Os principais passeios de hoje também estão muito distantes do que era tido como diversão naquela época, pois para relaxar as pessoas viajavam horas e horas, pegavam congestionamentos gigantescos, arriscavam suas vidas nas estradas e, no final de tudo isso, voltavam para suas casas ainda mais estressadas. Outras opções eram os grandes centros de compra, que estimulavam cada vez mais o consumismo desenfreado, que até trazia algum bem estar momentâneo, mas não preenchiam o vazio da alma. Hoje preferimos, sempre que possível, o contato com a natureza, as viagens e passeios, mas sem precisar de congestionamentos, sem filas, pois nossos modernos meios de transporte nos proporcionam isso de uma forma muito natural.

– Vamos agora falar de outro assunto que era um grande tabu, trazia muitos conflitos e foi o causador de muitas discussões e crimes, que eram os relacionamentos. Como era de se esperar, o relacionamento entre pessoas desiquilibradas não poderia ser algo saudável e a maioria dos relacionamentos eram muito conturbados, cheios de conflitos, pois eram pessoas com seus medos e angústias, desejos e aflições, aprendendo a conviver com outras que também traziam seus conflitos, onde os desejos nem sempre eram os mesmos, os ideais não caminhavam para os mesmos pontos e, diante disso, muitos problemas surgiam, além do sentimento de posse, como se um fosse propriedade do outro. Em nome dessa posse, desse sentimento doentio, muitos crimes foram cometidos, muitas mortes, muito sofrimento e, veja você, tudo isso em nome do que eles chamavam de amor, contrariando tudo aquilo que é o verdadeiro amor, que liberta, que faz o bem, que gera bem estar e que só quer o bem do outro.

– Com o equilíbrio natural que veio do autoconhecimento as pessoas passaram a ter relacionamentos mais saudáveis, o respeito por si mesmo era maior do que qualquer outra coisa e, respeitando-se, as pessoas finalmente aprenderam o que era o respeito ao próximo, o verdadeiro significado do amor, que não mais aprisionava, mas sim, libertava, mas que mantinha vínculos muito fortes e de um sentimento que a maioria dos nossos ancestrais não entenderia. O verdadeiro amor é a ligação da alma com a alma, dos sentimentos mais puros e verdadeiros, das afinidades de ideais, do desejo comum em torno de um bem maior, da vontade de mudanças, portanto, perceba meu neto, falamos de sentimentos totalmente espirituais. O amor une, não aprisiona, o amor estimula, o amor é o combustível das almas, aquele sentimento que desperta em cada um o seu melhor e expande isso a todos a sua volta, o verdadeiro amor não se restringe a classes sociais, a cor da pele, ao tipo físico, nem mesmo ao sexo, pois o amor é um sentimento da alma e não um sentimento físico, portanto, só o sente quem entra em contato consigo mesmo, com seus sentimentos mais profundos, entendendo-os e, portanto, aprendendo a desenvolver o mesmo sentimento pelo seu próximo. Esse sentimento mais puro e verdadeiro também só foi possível quando o homem se interiorizou, se conheceu verdadeiramente e desnudou de todo o preconceito. Ele aprendeu que era possível amar qualquer pessoa, pois antes de qualquer coisa, ele aprendeu a amar a si mesmo, a se aceitar e, com isso, passou a aceitar o seu semelhante, o seu igual, mas também aquele que ele considerava diferente, superando seus próprios limites ele também superou as diferenças do seu semelhante, que já não mais o incomodavam.

– Desenvolvendo esse amor mais puro, esse amor da alma, o homem foi mudando sua percepção do próprio prazer, antes restrito, em muitos casos, ao ato sexual, que continua existindo, mas de longe é a única fonte de prazer, aliás, hoje entendemos que esse prazer é o menos estimulante, pois é uma reação química e orgânica, portanto, passageira, muito diferente do prazer que sentimos em nossa alma, que é constante e nos proporciona o bem estar definitivo. Vitor, posso dizer que só para falarmos do amor precisaríamos de mais uma série de encontros, mas isso poderá ser feito em outro momento, apenas frisamos aqui a importância desse sentimento, que foi o grande responsável para que a humanidade realmente se modificasse, pois embora o homem tivesse muito autoconhecimento e controle sobre suas ações e sentimentos, tudo continuaria a ser muito mecânico, frio e ainda sem sentido, se junto a tudo isso, ele não tivesse desenvolvido o sentimento mais puro que é o amor.

– Nonno, muitos na época diziam sofrer por amor, que era uma expressão muito comum, mas entendo que ninguém sofre por amor, você sofre pela falta dele e, também, por qualquer outro sentimento que se convencionava chamar de amor, mas que era posse, era egoísmo ou qualquer outra coisa, menos amor, porque o amor é totalmente o oposto do sofrimento.

– Vitor, caminhando para o término desse nosso encontro também, creio que podemos ver que algumas coisas na nossa rotina foram profundamente afetadas, no entanto, outras, ainda continuam da mesma forma como eram feitas há milênios, como por exemplo, a necessidade da família, dos amigos, do convívio social, somos seres sociais e não fomos criados para seguir nossas vidas em isolamento, pois não conseguiríamos aprender e a desenvolver nossos sentimentos. Momentos de silêncio e reflexões são importantes, mas são momentos, pois a reflexão serve exatamente para que possamos nos conhecer cada vez melhor e voltarmos aos nossos afazeres, também melhores e mais conscientes. É muito fácil viver bem e ter sentimentos puros quando evitamos tudo o que nos faz mal, só sabemos se superamos algo ou não quando estamos em contato com aquilo que nos incomoda. A família que por muito tempo foi relegada retomou sua importância histórica e fundamental para a manutenção da sociedade e da própria vida, mas também o entendimento sobre ela hoje é muito mais abrangente, pois a família não se restringe somente aos laços de sangue, mas muito mais que isso, aos sentimentos de afinidade, portanto, um amigo pode ser nossa família, um vizinho pode ser nossa família, até mesmo os animais podem ser nossa família e, num entendimento mais amplo ainda, somos todos uma grande família universal, pois o papel principal da família é o de cuidar, dar sustentação nos momentos difíceis, apoiar nas decisões e escolhas de cada um, sempre respeitando, ainda que não concordando, que cada um é completamente livre para seguir seu caminho e que o aprendizado é individual, portanto, toda experiência é válida. Esse sentimento e essa vontade devemos cultivar por todos os que nos cercam e não somente pelos que se encontram dentro do mesmo lar, o próprio Planeta é nosso lar maior e toda humanidade é parte dessa família.

– Creio que chegamos as portas do nosso último encontro. Algumas surpresas nos aguardam, você está preparado?

– Preparado e curioso! Não vejo a hora de fazermos os fechamentos dos pontos que ainda estão soltos. Nonno, eu te amo!

– Vitor, eu também te amo muito, guarde isso sempre em seu coração e tenha a certeza de que sempre estaremos juntos. Amanhã nos encontramos!

Dessa vez o abraço foi ainda mais especial e cercado de um grande sentimento fraternal.

 

 Leia aqui  sobre Os Últimos Esclarecimentos sobre o Enredo

clube_autores_compre

Se você gostou da história e quiser contribuir com o autor, faça sua doação pelo botão do PagSeguro, logo abaixo.

Toda doação é bem vinda e agradeço de coração!


Comente com o Facebook
Facebooktwitter

One comment

Leave a Reply